Cadwell Partners

destinos
Home > Notícias de interesse > Quatro comportamentos de liderança que são prejudiciais para o recrutamento de executivos

Quatro comportamentos de liderança que são prejudiciais para o recrutamento de executivos

if-any-of-these-leadership-behaviors-sound-like-you-it-might-be-time-to-_1272_40038071_1_14092545_500Na Caldwell Partners, estamos à procura da “nata da nata”, e implementamos várias táticas diversificadas para garantir que a sua lista final de candidatos se enquadre perfeitamente às necessidades da empresa.

A resposta à pergunta sobre quais são as características de um bom líder não é simples, uma vez que depende de variáveis, tais como os requisitos de cada cargo específico de nível executivo, necessidades individuais da empresa e o fato de que há mais de um caminho para a liderança eficaz. Dito isso, alguns comportamentos de liderança são inequivocamente prejudiciais e devem ser evitados a todo custo.

  1. Má comunicação
    Em uma lista compilada por Maren Hogan, do Conselho de Jovens Empreendedores, e publicada pela Forbes, a má comunicação surgiu como o mau hábito de liderança No. 1.

“Você conhece o tipo”, escreveu Hogan. “No primeiro minuto, eles estão escrevendo um e-mail que praticamente não faz nenhum sentido, e no próximo estão solicitando uma ligação de três horas para discutir um projeto de última hora no qual você não está nem trabalhando. Ou pedem para você fazer algo com a máxima prioridade e, em seguida, dizem para finalizar o plano na próxima semana, quando você está prestes a finalizar seu plano de projeto”.

Para os líderes, esse tipo de modelo de funcionamento é precisamente o que deve ser evitado. Para recrutadores de cargos gerenciais, os candidatos que apresentam esse tipo de comportamento provavelmente não chegarão à lista final de candidatos.

Qual é a solução? Uma palavra: Organização. Muitas vezes, os líderes agem de maneira fragmentada (daí os e-mails sem sentido e instruções conflitantes, porque têm tarefas demais para lidar.
A desorganização pode levar à má comunicação.

Disorganization can lead to poor communication.

  1. Não compartilhar conhecimentos
    Algumas vezes, os líderes não estão dispostos a permitir que os funcionários-estrela brilhem, por medo de serem ofuscados. Isso resulta em acúmulo de conhecimentos e um sentimento geral entre os trabalhadores de que eles estão sendo “subjugados”, o que pode causar estragos em termos de níveis de engajamento e de desempenho.

“Você não está competindo com os seus funcionários”, escreveu Hogan.

Pelo contrário, o intercâmbio de informações, insights, recursos e experiências pode permitir que a empresa tenha um melhor desempenho global, com o líder mantendo sua posição executiva, enquanto os funcionários aprimoram suas habilidades para se tornarem melhores nas suas funções atuais – e talvez, eventualmente, até mesmo subir os degraus da escada corporativa.

Qual é a solução? O oposto de reter conhecimentos é compartilhá-los, e é precisamente isso que os líderes que relutam a esse respeito precisam fazer. Capacitar os funcionários com informações podem ter um grande impacto em tudo, da promoção da inovação à diminuição da rotatividade em função do descomprometimento.

“Os líderes muitas vezes se comunicam mal, pois têm coisas demais sob sua responsabilidade.”

  1. Não compartilhar responsabilidades
    Conforme observamos acima, os líderes muitas vezes se comunicam mal, pois têm muitas coisas nas suas listas de tarefas e não há tempo suficiente para eles se envolverem com seus colegas e subordinados. Embora os líderes devam tratar das tarefas de alto nível ou delicadas diretamente, aqueles que deixam os outros de fora para supervisionar pessoalmente todos os processos e operações não somente correm o risco de dispersar demais as suas atividades, como também de reduzir o crescimento profissional de seus funcionários.

“Se a sua organização, departamento ou empresa pudesse funcionar com apenas uma pessoa, isso ocorreria”, apontou Hogan. “E seus funcionários nunca serão capazes de intervir e ajudar de qualquer maneira significativa se você continuar deixando-os de fora. Na verdade, colocar a pessoa mais inteligente na sala no meio de cada decisão importante pode resultar na paralisação de equipes, departamentos e até mesmo empresas inteiras”.

Qual é a solução? Delegar, delegar e delegar. Antes dos líderes começarem a reavaliar algumas de suas responsabilidades, eles devem assegurar que os destinatários tenham a especialização para executar as tarefas relacionadas de maneira eficaz. Isso implicará em um processo de seleção prudente em nome do líder, bem como a implementação de treinamento potencial para preparar os membros da força de trabalho, caso necessário.

  1. Não conseguir enxergar a distinção entre ‘trabalhar duro’ e ‘trabalhar de maneira inteligente’
    Muitas vezes, os líderes insistem em trabalhar muitas horas e estar constantemente concentrados na tarefa sob sua responsabilidade. Ainda pior, eles tendem a transferir essa mentalidade para os seus funcionários.

“Nem todo mundo pode estar com a ‘mão na massa’ o tempo todo”, afirmou Hogan. “Os seres humanos precisam de pausas para que a criatividade floresça”.

Se os trabalhadores não se sentem capazes de parar para respirar, a qualidade do seu desempenho provavelmente será afetada negativamente, e suas atitudes provavelmente terão uma queda livre similar. Isso não quer dizer que eles não devem se esforçar para atender às demandas de seus trabalhos ou para fazer o seu melhor, mas estabelecer um senso de equilíbrio é fundamental – e de fato vai beneficiar a organização a longo prazo.

Na verdade, conforme Arianna Huffington mencionou em um discurso na conferência 2013 INBOUND da HubSpot, “criar a cultura de esgotamento é o oposto a criar uma cultura de criatividade sustentável“.

“Trabalhar duro não necessariamente equivale a ser produtivo”.

Qual é a solução? Os líderes devem reconhecer que o trabalho duro não significa necessariamente ser produtivo e, algumas vezes, dar um passo para trás é exatamente o que um projeto precisa – sem falar das pessoas que trabalham nele.

O resumo
Os consultores de recrutamento de executivos entendem que as necessidades de cada empresa são únicas, mas, independentemente do setor em que atua, do tamanho da empresa ou das especificidades do cargo que precisa ser preenchido, determinadas qualidades se destacam: habilidades de comunicação, compartilhamento de conhecimentos, delegação e capacidade de trabalhar de maneira “inteligente”, e não somente trabalhar duro.

Sobre a Caldwell Partners
Caldwell Partners é uma empresa internacional líder de serviços de busca de executivos, fundada há 40 anos. Como uma das empresas mais confiáveis do mundo de serviços de executive search, a empresa tem uma reputação impecável construída com o sucesso obtido em buscas de executivos de alto nível e Conselheiros de Administração. Com escritórios e sócios no Canadá, Estados Unidos, América Latina e Europa, a empresa orgulha-se de prestar serviços e compartilhar experiências inigualáveis com seus clientes. As ações da Caldwell Partners estão listadas na Bolsa de Valores de Toronto (The Toronto Stock Exchange – TSX: CWL). Visite nosso site: www.caldwellpartners.com para obter in informações adicionais.